Dicas e Curiosidades || Notícia: 22 mil cães terão chip de identificação em Curitiba

Notícia: 22 mil cães terão chip de identificação em Curitiba
Notícia: 22 mil cães terão chip de identificação em Curitiba

Cães da periferia de Curitiba terão prioridade. Proprietários vão pagar R$ 10 pela instalação, que custa cerca de R$ 100 nas clínicas veterinárias

Ao custo de R$ 240 mil, a prefeitura de Curitiba vai instalar chips de identificação em 22 mil cachorros. A iniciativa faz parte da Rede de Defesa e Proteção Animal, que além do Sistema de Informações e Identificação Animal, desenvolverá também campanhas de conscientização sobre a guarda responsável de animais. As iniciativas partirão de três convênios entre a Secretaria Municipal de Saúde, o departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e a Associação Nacional de Clínicas Veterinárias de Pequenos Animais (Anclivepa).

Os chips, o aplicador e o equipamento para ler os dados serão adquiridos pela prefeitura em regime de registro de preço – comprados todos de uma vez por licitação e disponibilizados conforme a necessidade. O projeto também vai contar com um ônibus da UFPR capacitado para fazer esterilizações de cães e gatos em bairros mais pobres. O ônibus também será usado para ações educativas relacionadas à guarda responsável.

A aplicação será gratuita, sendo cobrado apenas o valor de custo do chip, cerca de R$ 10 – o preço nas clínicas veterinárias gira em torno de R$ 100. ”O preço é alto porque é muito difícil um proprietário de cão registrar o animal, há pouca procura”, explica o coordenador da rede, Marcos Traad.

Constarão no chip o nome do animal, idade, sexo e as condições de saúde. ”O animal identificado gera muito mais segurança. Se ele fugir ou se perder do dono, será encontrado com mais facilidade”, afirma Traad.

Periferia

Inicialmente, os chips serão disponibilizados a proprietários de cães que queiram registrar seus animais de forma voluntária. Entretanto, a prefeitura levará a aplicação à periferia, onde está a maior parte dos cachorros com acesso à rua. ”Estamos estudando de que forma isso será feito, mas será envolvendo a comunidade em trabalhos sociais. Uma possibilidade é trocar o chip por lixo reciclável”, aponta Traad.

Para o médico veterinário Alexander Welker Biondo, professor da cadeira de Zoonozes da UFPR, fazer esse registro e orientar a população dos bairros mais distantes sobre a guarda responsável é essencial. Biondo explica que dos cães que estão nas ruas, 90% têm dono. São os cães semidomiciliados: dormem na residência, mas passam o dia na rua. ”Esse é o cachorro que causa mais problema, porque ele ataca pessoas e outros animais para defender seu território. Já o cachorro sem dono evita o contato com o ser humano” xplica o professor da UFPR.

Por ano, a Secretaria Municipal de Saúde notifica 6 mil casos de mordeduras de cachorros em Curitiba. Os cães podem transmitir 80 tipos de doenças ao homem.

Fonte: Jornal Gazeta do Povo

COMENTÁRIOS

← VOLTAR

Publicidade

Concurso de Fotos para Cachorro